Pesquisar este blog

Quero ser palestrante

Por ser palestrante, é comum eu receber e-mails de pessoas pedindo dicas de como ser palestrante. É interessante, mas nem eu sei se existe um caminho muito claro para alguém se tornar palestrante. Será que existe escola? A minha escola foi a vida, as lições foram as palestras. Quando menos esperava, já era palestrante.

Fui entrevistado pelo Clube do Palestrante, criado pela palestrante Leila Navarro para reunir um pouco das pessoas e do conhecimento existente na área de palestras. O site reúne entrevistas e artigos de palestrantes como Leila Navarro, Reinaldo Passadori, Antonio Carlos Teixeira da Silva, Ana Elisa Moreira Ferreira, Max Gehringer, Waldez Ludwig, Raul Marinuzzi, Clóvis Tavares, Celso Miranda, Vanusa Santos, Luiz Carlos F. Navarro e Maria Simões.

Alguns artigos e entrevistas de palestrantes, como a minha, já estão publicadas no site; outras devem entrar nos próximo dias. Mas, apesar de minha entrevista estar ali, gostei mais da entrevista do palestrante Waldez Ludwig. Explico: o Waldez foi muito claro ao afirmar: Palestrante é educador!

Pronto, matou a cobra. É isso. A maioria dos palestrantes começa a carreira ensinando, continua ensinando e não pára mais de ensinar. Dar palestras é exatamente isso. Portanto, pessoas que não gostam de ensinar podem esquecer palestrar.

Mesmo correndo o risco de não ter sido tão direto quanto o Waldez Ludwig, vou relacionar alguns pontos que tratei em minha entrevista sobre a atividade do palestrante, na forma de tópicos:

1. Ser palestrante é conseqüência de outra carreira na qual você tenha atuado até ter algo para dizer e ensinar outros. Isto amplia o campo para virtualmente qualquer área do conhecimento.

2. A idade é relevante para quem deseja ser palestrante quando o que pretende ensinar depende de experiência e amadurecimento, coisas que só o tempo pode dar. Porém há áreas em que jovens são mais bem sucedidos como palestrantes do que pessoas mais maduras, pois os temas de suas palestras dependem mais de talento – como música, esportes, artes – do que de experiência acumulada. Quando o público também é jovem, existe uma identificação maior com um palestrante também jovem.

3. Homens e mulheres têm igualmente algo a dizer e a ensinar como palestrantes, porém existem áreas em que as mulheres são melhores palestrantes do que os homens em razão de alguns atributos que lhes são naturais. Eu jamais saberia como dar uma palestra a um público feminino sobre a experiência de ser mãe e nem teria atributos tão claros para falar sobre intuição como as mulheres têm. Mulheres também são mais comunicativas, conseguem passar maior credibilidade do que os homens e costumam ser mais honestas naquilo que dizem, além de conseguirem externar com maior facilidade suas emoções. Antes que você decida contratar só palestrantes do sexo feminino, saiba que os homens também possuem muitas qualidades. Pronto. Garanti meu trabalho.

4. É muito importante que ao contratar um palestrante você saiba exatamente o que deseja desse palestrante. Há eventos em que o público sai frustrado, não por incapacidade do palestrante, mas pela escolha errada. Há eventos que pedem alguém de conhecimento, para ensinar, e não apenas para uma palestra descontraída de entretenimento. Outros necessitam de um palestrante para entreter e divertir. Há momentos em que a empresa precisa de um palestrante que dê um tratamento de choque de motivação, alegria e positivismo. É importante que a necessidade da empresa e do momento estejam casados com o perfil e capacidade do palestrante.

Uma empresa buscava por um palestrante e me consultou para uma palestra, informando que havia outro candidato que também estavam consultando. Quando vi que o evento aconteceria em uma boate, que a palestra seria o ponto alto de uma festa noturna em que os convidados estariam bebendo descontraidamente nas mesinhas em frente ao palco, achei melhor visitar o site do outro palestrante. A página principal trazia um rapaz com um terço da minha idade, corpo sarado, camisa brilhante, calça de couro e duas modelos, uma loira e uma morena, no chão agarradas às suas pernas. Era um mágico e palestrante famoso.

Sugeri à empresa que o contratasse. Era a pessoa ideal para o tipo de evento festivo e descontraído que buscavam. Obviamente um palestrante como eu, que trabalho com conhecimento, não seria o mais adequado para interromper aquele momento de descontração com um conteúdo de conhecimento que exige concentração.

Para evitar equívocos e deixar bem claro que, embora eu seja palestrante e faça palestras descontraídas, não sou cômico, mágico ou especialista em motivação, criei um formulário para pedidos de propostas que contém 3 opções impossíveis de serem assinaladas

6. Geralmente ser palestrante é apenas uma das atividades do profissional. Palestrantes voltados para o entretenimento, como aqueles que fazem mágicas, teatro ou palestras cômicas, costumam se dedicar em tempo integral a esta atividade, mas palestrantes de conhecimento geralmente são consultores, professores e escritores, além de palestrantes.

7. É preciso que o palestrante esteja continuamente atualizado e estudando sempre para dar palestras, ou você não terá o que oferecer ao seu público. Acredito que esta deveria ser também uma preocupação de qualquer pessoa que ensina.

8. Ser humilde deveria ser a principal preocupação de um palestrante, pois o fato de as pessoas estarem ali ávidas por cada palavra que sai de sua boca pode inflar seu ego e ele achar que é o máximo. É importante entender que uma palestra é uma via de mão dupla onde o palestrante ensina e aprende. Portanto, se palestrante é ser aprendiz.

9. O palestrante cobra pelo valor que seu conhecimento ou habilidade agrega. Mas quem quiser se iniciar na atividade é bom saber que terá e deverá fazer muitas palestras de graça no início, para aprender a conviver com o público, e ao longo da carreira, para manter acesa a chama de educador. Há ainda eventos estratégicos em que a recompensa do palestrante vem na forma de uma divulgação para um determinado público que poderá comprar seus serviços em outra oportunidade.
10. Uma palestra nunca poderá ser igual à outra, a não ser palestras-show em que o objetivo de entreter pode ser igual ou maior que o de ensinar. Nunca há dois públicos iguais e o palestrante deve adequar seu conteúdo e linguagem para cada público que encontra.

11. Aparência física, poder de oratória, falar vários idiomas ou outros atributos podem ajudar na carreira de um palestrante, mas isto depende da área e do assunto abordado. Há grandes sábios que mal sabem falar ou têm uma aparência sofrível, mas que fazem grande sucesso como palestrantes pelo valor que agregam com seu conhecimento.

Finalmente, é preciso ter em mente que você pode melhorar sempre. Crescer sempre. Então, quando crescer, você poderá ser um palestrante. Eu? Ainda não passo de uma criança no assunto. Mas, nem por isso me intimido de atuar como palestrante. Quase me esquecia de dizer que o palestrante deve ser ousado.

Se quiser ler mais uma dica, é muito interessante o que o palestrante Max Gehringer respondeu a alguém que escreveu pedindo dicas de como se tornar palestrante. Você encontra o texto na Revista Época (clique aqui).

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Cultura-Poder-Comunicação e Imagem: Fundamentos da Nova Empresa - GAUDENCIO TORQUATO

Questões relativas a cultura, poder, comunicação e imagem fundamentam as bases da empresa moderna. Analisar essas questões, compreender e avaliar sua natureza e suas implicações no desenvolvimento organizacional são tarefas da maior importância para os profissionais que desejam estar em sintonia com a modernidade.

Um comentário:

Postagens populares

Loading...