Pesquisar este blog

O peru de dona Gertrudes

Não consigo dormir. E quem consegue? Culpa do efeito borboleta. Aquele que diz que o bater de asas de uma borboleta no Brasil pode causar um tornado no Texas. Se os terroristas ouvirem isso vão querer se mudar para cá e criar borboletas.

Mas faz sentido, principalmente se você pensar que os gases liberados na atmosfera pelo seu carro podem derreter o gelo do Ártico por causa do tal efeito estufa. E é por isso que não consigo dormir. Estou me sentindo estufado e temo causar uma catástrofe em algum ponto do planeta.

Está tudo interligado, tudo interconectado. Vivo num imenso condomínio mundial. Se seguro o elevador, meu vizinho de cima pode perder o emprego. Se compro tênis no camelô, estimulo o trabalho escravo no oriente. Se compro diamante, patrocino o genocídio na África Central. Sou mais um responsável por todos e todos por um, num planeta com mais de 6 bilhões de mosqueteiros.

Sofro ao saber que alguém na Rússia vai ficar sem hamburger porque alguém no Brasil se esqueceu de vacinar a vaca. Preocupo-me quando um frango espirra no Vietnã e uma andorinha sozinha vai fazer verão na Romênia levando o vírus.

Será que é o excesso de informação que faz isso comigo? Deve ser. Antigamente eu só sabia do que acontecia com meus primos e minha tia. Meu mundo cresceu com a abundância de informação e eu também. No meu caso é o efeito estufa, como já disse. Esse excesso de informação que me bombardeia diuturnamente tem lá o seu lado bom para um cronista como eu. Dependo de fragmentos do cotidiano para escrever e meu e-mail traz todos os dias um caminhão de matéria prima.

É claro que junto vem muito lixo, mas também recebo casos que posso reciclar, como o de dona Gertrudes - o nome eu inventei - que pode ser real, lenda ou trote, não sei. O que sei é que, se existir, ela é tão ou mais preocupada do que eu. Por isso decidi escrever minha versão reciclada da história de autor desconhecido que circula na Internet, para dar a ela um sentido mais educacional.

Politicamente correta, socialmente correta, ecologicamente correta, seja-lá-o-que-for correta, assim é dona Gertrudes. Só para você ter uma idéia, em sua cozinha há 4 cestinhos de lixo para materiais recicláveis, um de cada cor: Vermelho para plásticos, amarelo para metais, azul para papel e verde para vidro.

E na garagem tem mais: preto para madeira, laranja para resíduos perigosos, branco para materiais hospitalares, marrom para orgânicos e cinza para não-recicláveis. Você acredita que a mulher tem até um cesto de lixo roxo? É para as velhas radiografias, que ela acha que são radioativas.

Quando não está caminhando ou usando sua bicicleta ou o transporte público, seu carro queima álcool, cinco vezes menos poluente que a gasolina. Sua impressora até aprendeu a ler, de tanto ela imprimir do outro lado, e quando vai ao supermercado, leva sua própria sacola para reduzir o consumo de sacos plásticos. A menina do caixa, boba, acha graça.

Refrigerante em garrafa PET? Nem pensar. Só suco de fruta. As lâmpadas da casa ela já trocou pelas econômicas, só toma banho frio e rapidinho, e ai do filho que deixar algum eletrodoméstico ligado na tomada com aquela luzinha em estado de espera. Será que preciso dizer que ela escova os dentes com a torneira da pia fechada e usa a água suja da máquina de lavar roupa para lavar o quintal?

Carne de vaca não come mais, por causa dos 25% do efeito estufa causados pelo escapamento do animal. Sua dieta de alimentos orgânicos e integrais só abre a porteira para peixes e aves. E quando a mulher viaja para o campo, leva um saco de sementes de árvores e arbustos para espalhar. Mais verde do que dona Gertrudes, só o seu Garcez, o marido, que sofre um pouco do fígado. Até parou de fumar para ver se resolve.

Toda essa preocupação deu aos filhos a idéia de aprontarem com o peru da ceia de Ano Novo. Justo com o peru, que Dona Gertrudes criou só com alimentação natural, massageou usando técnicas de Do-In e tentou, sem sucesso, fazer a ave aprender Yoga. Até homeopatia ela usou quando o peru andou esquisito.

Dizem - mas não acreditei - que antes da execução ela usou acupuntura para anestesiar o peru e amaciar a carne. Na minha opinião o que ela usou mesmo foi a velha cachaça, como se fazia antigamente, despejada em um funil goela abaixo. Depois, temperou naturalmente com sal não-refinado, vinagre de maçã e ervas orgânicas, e colocou a ave no forno.

Foi só virar as costas e os filhos tiraram o peru do forno, esvaziaram a ave de seu recheio e enfiaram no lugar um franguinho, o menor que encontraram no supermercado. Tapado o orifício com farofa para disfarçar, devolveram o peru ao forno.

À noite, cercada pela família, a orgulhosa dona Gertrudes meteu a faca na ave e foi destrinchando, enquanto se gabava de suas preocupações ecológicas e sociais no preparo. Ao descobrir o franguinho assado no interior da ave, gritou de comoção e horror antes de desmaiar:

- Meu Deus! Assei uma perua grávida!

resenha 
resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões 
literatura literaturas comentário comentários
Liderança Sustentável: Desenvolvendo Gestores da Aprendizagem
ANDY HARGREAVES e DEAN FINK
Em Liderança sustentável, Andy Hargreaves e Dean Fink abordam um dos aspectos mais importantes e freqüentemente negligenciados da liderança: a sustentabilidade. Escrito prioritariamente para gestores escolares, mas de interesse para todas as áreas de gestão, este livro propõe de forma original e convincente sete princípios para liderança sustentável, caracterizados pela Profundidade da aprendizagem; Durabilidade do impacto a longo prazo, através de boa administração da sucessão; Amplitude de influência, onde a liderança se torna uma responsabilidade distribuída; Justiça, garantindo benefícios a todos os alunos; Diversidade, que substitui a padronização; Engenhosidade, que conserva e renova a energia dos líderes sem esgotá-los; e Conservação, que se baseia no melhor do passado para criar um futuro ainda melhor.



© Mario Persona  - Quer publicar Mario Persona CAFE em seu blog? Clique aqui para obter o código do gadget. Você também pode publicar o texto na íntegra em seu site, blog, jornal ou revista, desde que mantenha os créditos do autor e tenha um link apontando para www.mariopersona.com.br.


E a gorjeta, doutor?

Postagens populares

Loading...