Pesquisar este blog

Ela Robo

Lá em casa tem um robô. Mas não é um robô chato, como o de Perdidos no Espaço, ou ameaçador como o "Eu, Robô" de Isaac Asimov que no filme ficou amigo do Will Smith. Nem é divertido, como a dupla C3PO e R2D2 de Guerra nas Estrelas. Meu robô é comum. É um robô fêmea.


Sim, fêmea, mas chamá-la de "roboa" soaria estranho, por isso eu a chamo de "Ela, Robô". Não tinha o He-Man, a She-Ra e a Ella Fitzgerald? Então "Ela Robô" também pode. Gorda, grande e barulhenta, "Ela" não faz o gênero futurista de Hollywood. Inteligência? Só se for artificial. Capacidade de memória? Esqueça. "Ela" perde feio para qualquer calculadora. "Ela" só serve para uma coisa: fazer o trabalho sujo.

O curioso é que quem me convenceu a ter um robô foi um hippie. Isso mesmo, um cara muito zen, vestido de um imaculado branco-algodão e com os cabelos bem cuidados, presos com uma fita atravessada na testa. Hippie de butique.

Sua vidinha de fiscal de praia só era possível porque, além de morar numa praia, sua mulher trabalhava na prefeitura da cidadezinha litorânea. Ele ficava em casa cuidando das crianças. Ela também era hippie, mas não se sentia hippie por trabalhar numa repartição pública. Você conhece algum hippie funcionário público?

O sonho dela era largar o emprego e ser hippie de tempo integral no sítio do avô em Visconde de Mauá. Criar os filhos longe da influência nefasta do progresso e da TV do vizinho, que enchia a cabeça dos pequenos com as músicas do Balão Mágico. Sim, estamos falando aqui dos anos 80.

O casal não tinha TV, mas tinha um monte de filhos. Sem TV e com um controle apenas remoto, a taxa de natalidade do casal estava acima da média do IBOPE. De nossa conversa deduzi que o hippie só sabia fazer filhos e criticar o progresso. Enquanto conversávamos, minha filhinha, ainda bebê, dormia aninhada em meu colo.

Fiquei curioso quando o hippie contou que, se quisessem, já daria para viver bem só com a poupança da mulher. Era ele quem vinha adiando a mudança para o sítio, pelo menos até as crianças deixarem as fraldas. Só depois pretendiam se mudar para o mato e viver comendo inhame e tomando banho gelado. Isso mesmo, no sítio não tinha chuveiro elétrico. Lá a eletricidade só chegava quando caía raio.

Mas seu problema não era o chuveiro elétrico. Ou refrigerador, liquidificador, batedeira e ferro de passar. Ele podia viver sem. Até o secador, amigão dos cabelos amarrados com fita, podia ser trocado pelo vento da Serra da Mantiqueira. Só um eletrodoméstico era essencial, só um! Eu estava louco para saber, e você deve estar também.

-- Cara... -- o hippie começou a explicar na velocidade que hippie explica --, a mulher trabalha fora e eu fico o dia todo em casa com as crianças, sacou? Faço o rango, dou banho, lavo a roupa... Cara, você já lavou fraldas?

Fiz que sim com a cabeça e sorri um sorriso paterno para o bebê que dormia em meu colo.

-- Cara, já viu os adesivos que esses carinhas são capazes de produzir?

Fiz que sim outra vez, mas desta vez não sorri para o bebê em meu colo. Naquele tempo fralda descartável ainda era ficção científica ou orçamentária, e no sorteio das tarefas domésticas o azar era meu. Conhecia adesivos de diferentes cores, consistências e poder de aderência.

-- Pois é, cara -- o hippie falava de cara em cara --, sou capaz de abrir mão de tudo, luz elétrica, refrigerador... até o Jimi Hendrix eu aceito tocar na vitrola a pilha. Mas não mudo para o sítio com criança pequena e sem meu robô.

Fiz cara de quem não entendeu, porque não tinha entendido mesmo.

-- A máquina de lavar roupas, cara! É meu robozinho, não vivo sem ela!

Naquele momento o bebê em meu colo gemeu e pareceu ter aumentado de peso e volume. Foi quando decidi ter um robô.


resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários
A Economia Verde - JOEL MAKOWER
Graças à conscientização de empresários e executivos e às demandas de stakeholders e da sociedade em geral, as empresas rapidamente ingressam na era verde, adotando práticas sustentáveis que eliminam ou minimizam os impactos ambientais das suas atividades. Contudo, tornar verde a sua empresa não é uma tarefa fácil.

Em A Economia Verde, Joel Makower, um dos mais renomados especialistas em negócios sustentáveis do mundo, oferece ideias e propostas práticas para a formulação de estratégias que alinham metas empresariais e ambientais, fundamentadas em seus vinte anos de experiência orientando desde companhias que figuram na Fortune 500 até empresas iniciantes.

Ao trazer uma abordagem realista e abrangente das oportunidades e dos desafios de tornar os negócios sustentáveis, o livro mostra como as organizações podem encontrar seus caminhos na economia verde.

Editora: Gente
Autor: JOEL MAKOWER
ISBN: 9788573126488
Origem: Nacional
Ano: 2009
Edição: 1
Número de páginas: 304

© Mario Persona  - Quer publicar Mario Persona CAFE em seu blog? Não se esqueça de colocar um link apontando para www.mariopersona.com.br ou clique aqui para obter o código do gadget. Você também pode publicar o texto na íntegra em seu site, blog, jornal ou revista, desde que mantenha os créditos do autor e tenha um link apontando para www.mariopersona.com.br.
E a gorjeta, doutor?

4 comentários:

  1. Anônimo11/9/11

    boa Mario ela robô um grande abraço de michael cxs do sul .

    ResponderExcluir
  2. Passando mais um vez para deixar um abraço.
    Você citou Perdidos no Espaço, me deu uma saudade daquele seriado.
    Sendo assim um super abraço, desta humana, rsss, espero por você lá no Perseverança
    Nicinha

    ResponderExcluir
  3. Anônimo5/10/11

    Que legal, tenho que ter um "ela robô" também, deicidi agora ter um.. rs

    ResponderExcluir
  4. Olá Mario, gostei muito do seu site e dos teus textos.

    Confesso que tbém não vivo sem minha "Ela, robô" hoje as fraldas são descartáveis, mas como faz bem deixar a criança livre pra brincar e se sujar..rs..."Ela" é fundamental.

    Abs,

    ResponderExcluir

Postagens populares

Loading...