Pesquisar este blog

Carregando...

Medicina mutante

Stan Lee, criador do Incrível Hulk, Homem de Ferro, Thor e X-Men, conta que sempre foi zero à esquerda em ciência. Por isso quando queria explicar como um herói tinha surgido pegava a primeira palavra que vinha à mente -- raios cósmicos, radioatividade ou coisa do gênero -- e isso era imediatamente aceito como plausível pelos fiéis leitores dos quadrinhos. Foi o que fez para explicar as aberrações dos heróis e vilões de X-Men. São mutantes.

Lama

Se vou falar de política? Não. Vou falar de Rampa. Não, não é a rampa do Palácio do Planalto em Brasília. Vou falar de Rampa, o Lobsang, pseudo-lama que me enganou dizendo que enxergava o que todo mundo não conseguia ver. Não, eu não disse que ele não viu o que todo mundo vê, ao contrário. O lama Lobsang Rampa dizia ter um furo na testa com um terceiro olho, sua "terceira visão".

A par e passo com a oportunidade

O jovem Albino Buzolin estava inquieto. Da missa em latim, aquele descendente de italianos só entendia o "Amém". Seus pensamentos voavam, competindo em leveza com as baforadas que escapavam do incensário, balançado pelo sonolento coroinha. O único canto que chamava sua atenção naquele momento era o canto dos olhos. Este acabara de enxergar algo que fez o alarme de sua criatividade soar. A campainha do sonolento coroinha soou bem depois.

O dia em que a charrete sumiu

Existe uma lei de mercado que determina que tudo o que agregar maior valor ao cliente é o que permanecerá. Maior rapidez, economia, facilidade etc. são medidos, não pelo fornecedor do produto ou serviço, mas pelo implacável mercado. Aquilo que for um estorvo no andar da carruagem do mercado simplesmente desaparecerá.

Marketing de tirar o chapeu

Na infância, fui escoteiro de uniforme, mas sem chapéu. Os chapéus do grupo eram fabricados em Limeira pela Prada, a mesma que fabricava um modelo igual ao do Indiana Jones. Se no filme o chapéu de Harrison Ford não saía da cabeça, comigo acontecia o contrário. O chapéu não entrava. Eu era um menino de cabeça grande, desses que a mãe usa o bonezinho para trazer a melancia da feira. Eu era diferente, e não podia ter um chapéu de feltro como os outros meninos. Não fabricavam o meu número.

O hotel

O motorista do táxi que me levou do aeroporto ao hotel em Fortaleza deve ter feito sua última viagem de taxista. Ou ele morreu depois em alguma esquina perigosa como as que ele cruzou comigo usando de freio apenas a buzina, ou será a grande revelação da próxima temporada da Formula 1.

O grampo

Você está grampeado? Sim, está, e eu também. O grampo está aí e só não vê quem não quer. Outro dia pesquisei no Google o nome de um palestrante amigo para encontrar seu site. Daquele dia em diante não tive mais sossego. Sempre que entro em algum site ou em meu mural no Facebook vejo a cara de meu amigo sorrindo para mim, como se dissesse: "Sou seu concorren-te! Sou seu concorren-te! Estou aqui e você não está-á! Rá-rá-rá!". Confesso que começo a não gostar dele. Grampearam minha vida na Internet.

O Terminal ou o dia em que me senti Tom Hanks

Não encontrei título melhor para esta crônica do que “Terminal”. Mas não é sobre a condição de quem já se aproxima dos sessenta anos e ainda não conseguiu um “refil”, mas de Terminal mesmo, aquele lugar onde você embarca ou desembarca. No caso específico desta minha experiência, eu, que não sabia como se sentia um artista de Hollywood, acabei descobrindo. Um título alternativo seria “O dia em que me senti Tom Hanks”, numa alusão ao filme com o ator cujo personagem morava em um Terminal de aeroporto. Como vivo no Terceiro Mundo, no meu caso o terminal  não é de aeroporto, mas de rodoviária.

Eu terceirizo, tu terceirizas, ele trabalha

A fossa transbordou. Quem já passou por isso sabe o que significa. A velha fossa da velha casa onde morei quando ainda era novo chegou ao limite. Precisava urgente encontrar alguém para cavar uma nova. Acho que as pessoas costumavam chamar esse profissional de fosseiro, mas nem precisei chamar. Um vizinho chamou para mim por causa do mau cheiro que estava ficando insuportável.

Ambidestros cerebrais

Nosso planeta é habitado por três tipos de pessoas: canhotos, destros e ambidestros. A classificação é feita segundo o uso das mãos ou dos pés. Quem gosta de futebol reconhece logo se o jogador é canhoto, destro ou ambidestro, só pelo modo de chutar.

Doce vinagre

No supermercado a velhinha ao lado me fitava. E quando digo velhinha, imagine aquela gracinha que mais parece uma vovozinha saída de um desenho animado. Ela era assim. Uma figurinha doce, com olhinhos brilhantes e atentos à escolha que eu faria do vinagre.

Dulcineia - Dia Internacional da Mulher

Sobre minha mesa, dois belíssimos volumes de "Don Quixote de La Mancha", de Miguel de Cervantes Saavedra, me fitam. A edição que herdei de meu pai é de 1955, ano de meu nascimento, e traz ilustrações de Gustavo Doré. Que magia estes livros contêm? O que tornou Don Quixote um dos livros mais lidos do mundo? O fato de ter sido concebido em um cárcere, talvez. Por ser a aventura de um louco em busca de glória? Hummm... não sei... Quem sabe o que realmente nos seduz é saber que ele, um perdedor nato e fraco, se acha um campeão, o mais valente, o mais fidalgo? Pode ser. Gostamos de fracos vencedores, porque no fundo somos assim. Só falta vencer.

Postagens populares

Loading...